Укладка ламината на пол. Быстрая укладка ламината своими руками видео. Укладка ламината по диагонали. Пробковое покрытие для пола. Качественная укладка пробкового пола. Пробковый пол плюсы и минусы. Смеси для выравнивания пола. Быстрое выравнивание бетонного пола. Выравнивание пола стоимость. Самоделки для дома. Лучшие самоделки для дома своими руками. Полезные самоделки для дома. Как обустроить кухню. Как обустроить маленькую кухню быстро. Как обустроить кухню фото. Как открыть свой магазин. Хочу открыть магазин с большим капиталом. Сколько стоит открыть магазин. Диван своими руками. Как сделать диван своими руками для дома. Диван своими руками чертежи. Дизайн маленькой кухни. Красивый дизайн интерьера кухни фото. Малогабаритные кухни дизайн.

Os fundamentos da escrita

Confira nossas dicas para desenvolver uma boa redação:

 

1. Coesão

 

Segundo o dicionário Aurélio, trata-se da “união íntima das partes de um todo”. Em outras palavras, é a “cola” que dá liga às diversas instâncias do texto – raciocínios, imagens, argumentos etc. – dando-lhes unidade e encadeamento. Simplesmente jogar as ideias no papel, sem as articular em prol de uma argumentação, pode fragmentar o pensamento, correndo o risco de não transmitir a mensagem pretendida.


2. Coerência


Tomada como sinônimo de “coesão” em alguns casos, guarda relação com a manutenção de uma ideia ao longo do discurso, sem se contradizer ou se anular. Segundo o Aurélio, a coerência de um discurso pode apoiar-se em mecanismos formais, como de natureza gramatical ou lexical, ou no conhecimento partilhado entre os usuários da língua. De modo que convém, em certos casos, explicitar raciocínios e/ou referências para não correr o risco de ser mal interpretado pela banca examinadora.


3. Clareza

 

Diretamente ligada a fatores textuais como a “coesão” e a “coerência”, a clareza depende de diversos fatores. Uma comunicação truncada pode resultar em textos imprecisos, desordenados e incompreensíveis. A falta de clareza, não raro, advém da desorganização das ideias, que pode se traduzir num texto ambíguo,com apostos desarticuladores, frágil progressão de tópicos, acúmulo de informações numa frase, “anacolutos” (começar falando uma coisa e terminar com outra), falta de paralelismo entre as sentenças, redundâncias, entre outros fatores.

 

UM ROTEIRO PARA PENSAR

 

Até mesmo os redatores mais experientes não abrem mão de estruturas fixas, a partir das quais constroem sua argumentação. O mais elementar dos gêneros textuais – a dissertação – pressupõe que haja um começo, um meio e um fim. Pode parecer simples, mas com essas etapas em mente o candidato conseguirá organizar suas ideias e direcionar seu raciocínio.

 

- Introdução (começo)


Começar bem uma redação é começar com o pé direito. Apresentar o objeto em discussão ao leitor implica contextualizá-lo e ressaltar sua importância. Lembre-se: a primeira impressão é a que fica.


- Desenvolvimento (meio)

 

Nessa etapa da redação, o tema ou objeto é alvo de debates, sendo, portanto, colocado à prova. Nesse momento, a opinião do redator deve se fazer presente, explorando as possibilidades dos argumentos.


- Conclusão (fim)

 

É o momento de fechar com chave de ouro, mas sem firulas retóricas. Aproveite para consolidar o que foi dito, fazendo considerações finais, tirando conclusões ou até mesmo deixando a questão em suspenso.

 

CUIDADOS DE ESTILO

 

Coesão

 

Todo texto se organiza em torno de um elemento de referência. A partir dele, todo o resto se posiciona. É preciso cuidar para que uma ideia leve à próxima, sem sobressaltos entre elas. O que se escreve num parágrafo deve estar relacionado ao que se disse no parágrafo anterior e ao que se dirá em seguida.


Concisão

 

Em uma redação, a economia pode ser a receita para o sucesso. Nada de parágrafos intermináveis, com descrições alongadas e pouco objetivas. Mas é preciso ter cuidado com o estilo telegráfico, que exige habilidade do redator, pois nem sempre garante a suficiente clareza numa dissertação.


Precisão

 

Cuidado com os apontamentos de tempos imprecisos como: antigamente, outrora, certa vez e assim por diante; eles nada dizem e atuam negativamente no texto.


Linguagem

 

O domínio do padrão culto da linguagem exige um texto correto, mas que pode ser simples. Evitar períodos muito longos e vocabulário requintado demais (uso de “palavras difíceis”, às vezes de significado desconhecido para o próprio autor, com a intenção de impressionar o corretor).


Marcas de oralidade

 

Expressões como “né”, “ok”, “tá”, gírias, palavras obscenas devem ser evitadas.


Cuidado com o “internetês”

 

Abreviações do tipo “vc” (você), “hj” (hoje), “td” (tudo) não cabem numa prova de redação que procura avaliar o domínio da língua materna e a capacidade de argumentação do candidato.


Pessoa do discurso

 

É conveniente escolher a pessoa do discurso a ser usada (terceira pessoa do singular – “sabe-se que hoje...” – ou primeira pessoa do plural – “sabemos que hoje...”) e mantê-la em todo o texto.

 

O QUE ANULA A PROVA DE REDAÇÃO:

 

- Fugir do tema proposto;

- Não atender ao gênero textual solicitado;

- Se a folha de redação estiver em branco ou o texto escrito não contiver o mínimo de linhas exigidas;

- Se a folha de redação contiver desenhos, impropérios ou rasuras;

- O texto extrapolar o espaço delimitado.

?>